ABIMED promove o 1º Fórum de Produtos para a Saúde em parceria com ANVISA e entidades do setor

Health-IT

, Sem categoria

A ABIMED (Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares) promove em parceria com a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e associações do setor o primeiro 1º Fórum de Produtos para a Saúde para debater temas estratégicos do relacionamento entre a agência reguladora e a indústria.

O evento será realizado amanhã, 07 de outubro (terça-feira), no auditório da Anvisa, em Brasília (Setor de Indústria e Abastecimento – SIA – Trecho 5, Área Especial 57), com a presença de autoridades da saúde, especialistas da ANVISA, presidentes das associações do setor e representantes das empresas.

O Fórum será composto por quatro mesas de discussão que debaterão os seguintes temas: “Racionalização Regulatórias versus Segurança”; “Agenda Regulatória Anvisa 2013/2016 de Produtos para a Saúde: Perspectivas”; “Impacto da Judicialização no Processo Regulatório” e “Agenda Internacional de Produtos para a Saúde”.

 

“O intercâmbio de informações é fundamental para agilizar processos, melhorar o acesso da população às tecnologias de saúde e estimular a inovação nesta área, que é tão importante para o desenvolvimento socioeconômico do país”, afirma Carlos Goulart, presidente-executivo da ABIMED

 

O setor de produtos para a saúde movimenta ao redor de R$ 20 bilhões ao ano e gera mais de 130 mil empregos diretos e indiretos. Nos últimos anos, apresentou crescimento de dois dígitos, acima da média da economia nacional. O setor conta com mais de 13 mil empresas, cerca de 20 mil produtos segundo a Organização Mundial de Saúde, e se caracteriza por um rápido ciclo de inovação tecnológica.

 

“Este mercado se caracteriza por grande transação comercial entre países e o Brasil tem condições de se inserir de maneira muito mais intensa nesta cadeia. Por isso, precisamos de regulação ágil e segura e de políticas industriais que visem o crescimento do país nessa área”, diz Goulart.