Risco à segurança: Número de hospitais que utilizam pagers ainda é grande

Médicos e enfermeiros são os últimos profissionais no mundo que contam com pagers para realizar seus trabalhos atualmente. “Com o advento das comunicações digitais há mais de uma década, pagers, como máquinas de fax, devem desaparecer, especialmente em configurações que demandam comunicação perfeita em tempo real como hospitais”. A opinião é de Ed Gaudet, Gerente Geral do Grupo de Produtos Imprivata Cortext.

A empresa de segurança de TI em cuidados médicos lançou a campanha de mídia social #DitchPageBoy, para lançar luz sobre os riscos associados à confiança em pagers para se comunicar dentro de um hospital. Através de uma série de vídeos de modo irônico e irreverente apresentando um Page Boy, um sócio irritante, intruso e ineficiente que causa todos os tipos de problemas para seus profissionais de cuidados médicos e seus pacientes, a Imprivata zomba do absurdo de utilizar pagers obsoletos em 2016.

“O número de hospitais que ainda contam com pagers é assombroso e, francamente, é assustador que sua vida possa estar nas mãos da antiga tecnologia de 50 anos e fluxos de trabalho antiquados”, ressalta Gaudet.

Um recente estudo de Ponemon Institute descobriu que provedores desperdiçam uma média de 35 minutos por turno em fluxos de trabalhos como admissões, transferências e coordenação de respostas de emergência, devido à comunicação ineficiente causada por pagers. Tal tempo desperdiçado se traduz em uma perda real de cerca de US$ 1,75 milhões por hospital dos EUA e mais de US$ 11 bilhões em termos industriais.

Para ver os vídeos #DitchPageBoy visite: https://www.imprivata.com/Meet-Page-Boy.

 

 

Deixe uma resposta